Ping Pong com Raad Massouh

 

Por Fred Lima

 

Primeiro deputado distrital cassado pela Câmara Legislativa do DF, Raad Massouh foi absolvido nessa quarta-feira (14) pela 10ª Vara Criminal do Distrito Federal da acusação de peculato (desviar bens ou recursos praticado por agente público). A denúncia diz respeito a um suposto desvio de emenda parlamentar no valor de R$ 47 mil para a realização de show em Sobradinho. A acusação existe desde 2010 e custou o mandato do então parlamentar. Agora, inocentado, Raad revela ao Blog do Fred Lima o período mais difícil após a cassação, os motivos que o levaram a perder o mandato e se pensa em se lançar deputado na eleição de 2026. Confira:

 

Qual foi o período mais difícil desde quando foi cassado?

Não tive uma dificuldade muito grande. Sou uma pessoa bastante conhecida na região de Sobradinho. Todos tinham certeza da minha inocência. A população local entendeu que aquilo era uma armação. O momento mais difícil foi no dia a dia, depois de um trabalho perdido de vinte anos, que proporcionou que eu chegasse à Câmara e fosse tirado daquela forma, sem ter cometido nenhum crime. Enquanto isso, assisti vários outros nomes terem sido condenados sem perderem seus mandatos. Existem colegas que chegaram a ser presos, mas não cassados. Na atual legislatura, uns oito deputados estão respondendo processo e alguns foram condenados, mas a Câmara simplesmente arquivou tudo. Fiquei muito triste por ter servido de cobaia e boi de piranha na legislatura passada. Porém, estou recuperado.

 

Acredita que a sua cassação ocorreu por contrariar interesses da velha política na Câmara?

Na época, vários distritais davam entrevistas dizendo que eu seria cassado por não ser do grupo político deles. Realmente não tinha grupo político. Agradeço a Deus por não ter participado daquele grupo. A minha cassação foi  combinada a partir do dia em que apresentei o projeto de lei que acabou com o 14° e 15° salário dos distritais. O PL serviu de inspiração para a Câmara dos Deputados e o Senado Federal. Economizei milhões para o DF. Por este motivo, paguei a dívida política. A partir daquele momento, passei a ser perseguido de todas as formas.

 

Cogita retornar à cena política em 2026 ou desistiu de disputar cargos públicos?

Aonde vou todos me cumprimentam, abraçam e demonstram carinho. Com isso, percebo que a conjuntura está propícia para a candidatura do meu filho. Ele tem 22 anos de idade e se chama Raad Júnior, que faz com que seja associado ao meu nome. Assim como aconteceu comigo, a população de Sobradinho está recorrendo a ele para que seja candidato a distrital, tendo em vista que a região ficou quase órfã na atual legislatura. Temos um deputado, mas já tivemos entre dois a três. Ele é um jovem “cabeção”, que fala muito bem. Lançou a Revolução Jovem, que é a favor da sociedade e das causas sociais. Estamos fazendo a avaliação da pré-candidatura dele. Provavelmente consiga ser eleito este ano. O comentário que existe não só em Sobradinho como em várias outras cidades é que a ideia de ter um novo Raad vai ser muito boa para o DF.

 

Da Redação

 

2 thoughts on “Ping Pong com Raad Massouh

  1. Não acredito que 47.000,00 seria suficiente para que um deputado arriscasse o seus 4 anos de mandato e também uma provável reeleição.
    Acredito em armação e recentemente aqui em Planaltina um professor foi denunciado por suposta agressão a um aluno. O que aconteceu foi que uma professora de contrato temporário punida pelo Diretor a Escola amou toda situação apenas porque um professor temporário não pode ter qualquer anotações negativa em sua ficha cadastral. Ficando assim impedida de sddinar novos contratos. (E MAIS OU MENOS POR AI). Agora o interessante que foi reeleito Diretor com a maioria dos votos dos pais dos alunos. O mais interessante é o mais votado para deputado distrital.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *