CLDF 2015-2018: Inexpressiva em proposições, mas mais independente do Buriti

 

Por Fred Lima

 

A atual legislatura da Câmara Legislativa do DF é considerada a mais fraca da história pelos analistas políticos, mas comparada com a passada, é mais independente com relação ao Palácio do Buriti. Se por um lado temos deputados inexpressivos e talvez de um mandato só, por outro, a fama de puxadinho diminuiu, visto o posicionamento crítico dos dois presidentes (Celina Leão e Joe Valle) ao governo.

Votar a favor da administração Agnelo custou o mandato de alguns distritais, que não conseguiram renová-lo. Por essa razão, nomes novos surgiram e desbancaram os veteranos, ajudados também pelo quociente eleitoral.

O eleitor deverá manter a tendência da eleição passada na Câmara, quando houve renovação de 50%. Contudo, alguns ex-distritais têm chance de voltar, como Washington Mesquita, que disputa voto a voto com a correligionária Jaqueline Silva. O quociente partidário vai determinar qual dos dois poderá ocupar uma cadeira na Casa pelo PTB.

Na era Rollemberg, o relacionamento distante do Buriti com os deputados, especialmente no início do governo, favoreceu o aumento da independência do Legislativo. O toma lá dá cá continuou, porém em menor intensidade.

Celina e Joe, procedentes da base aliada, tiveram pulso firme para contrariar os interesses do Executivo. Sem a liderança de ambos, a presente legislatura, que é anêmica, se tornaria também pífia.

A inexpressividade em proposições foi apontada já nos primeiros 18 meses, conforme matéria publicada pelo portal Metrópoles, quando 38 projetos foram questionados pelo Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) como inconstitucionais.

Uma CLDF forte deve ter projetos expressivos e autonomia nas votações, sem moeda de troca. A oligarquia política também tem de acabar, ou seja, o pai, impedido pela Lei da Ficha Limpa, não pode mais lançar o filho em seu lugar, transformando-o num boneco de ventríloquo.

Que em 2019 a Câmara seja, de fato, a Casa do povo!

 

Da Redação

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *