Buriti 2018: bomba à vista II

 

Por Fred Lima

 

Assim como nos filmes de ação, quando uma bomba é acionada na política, especialistas entram em cena para tentar desativá-la. Se não der em nada, o desarme foi feito com maestria. O problema maior é identificar de onde vem o planejamento e execução do artefato bélico.

Se a bomba-relógio não for desativada, um esquema nefasto retornará às páginas policiais, trazendo consigo cadáveres insepultos e uma história que parece ficção cinematográfica, de tão sofisticado que é o seu roteiro.

Não estamos mais nos tempos do tapete, quando toda sujeira era varrida para debaixo dele com a ajuda do colarinho branco. Assim como o restante do país, Brasília está mudando.

A Operação Caixa de Pandora deu o pontapé inicial. Depois dela, surgiram outras. Se a bomba explodir, atingirá uma candidatura ao Buriti e teremos a Operação Cemitério Maldito.

Aguardemos cenas do próximo capítulo…

 

Da Redação

 

One thought on “Buriti 2018: bomba à vista II

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *