Buriti 2018: o “Watergate” das Organizações Tabajara

Foto: Reprodução/Internet

 

Por Fred Lima

 

Se ficar comprovado os relatos que constam na petição protocolada na Polícia Federal, no Ministério Público Eleitoral (MPE) e no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) pelos advogados do candidato ao Palácio do Buriti, Ibaneis Rocha (MDB), um roteiro semelhante ao escândalo Watergate foi montado para tentar comprometer o emedebista na reta final da eleição. De acordo com o documento apresentado, a armação começou a ser preparada no Hotel Fusion.

 

“A ocorrência registra a entrada de DOIS MAIORES acompanhados de um MENOR no Hotel Fusion, nesta Capital, sem qualquer documento que demonstrasse a existência de vínculo entre eles. Diante do fato, a recepcionista chamou a Polícia Militar, que esteve no Hotel e os conduziria à Delegacia, contudo, antes de chegar ao local, todos foram liberados. Pouco tempo depois, retornaram ao hotel os maiores e o menor, acompanhados de pessoa que se identificou como Coronel da PMDF. Tal pessoa disse que “estava numa operação e que precisava hospedar aquelas pessoas no hotel por uma ou mais diárias, e que ele se responsabilizava .” Além disso, a ocorrência relata que os envolvidos “ficaram apenas uma noite no hotel, os quais foram embora após tomar café da manhã e não retornaram mais” e que “ainda na manhã do dia 02/10/2018 esteve no hotel um policial à paisana, querendo saber se os referidos hospedes tinham descido, mas os hóspedes tinham saído do hotel”. Na manhã do mesmo dia 02/10/2018, ao tomar pé da situação, o gerente do Hotel se dirigiu à 5ª Delegacia de Polícia e registrou o Boletim de Ocorrência relatando todo o ocorrido. Não se sabe exatamente o que fizeram (ou fariam) os dois maiores e o menor, ou se haveria, de fato, operação policial sob responsabilidade da PMDF, mas a denúncia recebida pela campanha do candidato é de que dali sairia (ou sairá) a tal fake news da qual vem sendo ameaçado o candidato”. (Assinado eletronicamente por: BRUNO RANGEL AVELINO DA SILVA – 22/10/2018 11:35:35https://pje.tre-df.jus.br:8443/pje-web/Processo/ConsultaDocumento/listView.seam?x=18102211353403300000000093887Número do documento: 18102211353403300000000093887).

 

Ausência de provas
Até o momento, não há provas que possam indicar a participação de Ibaneis nesse episódio. Na verdade, a cena parece uma armadilha forjada no submundo da política local. A pergunta que não quer calar: quem estaria por trás disso?

Independentemente de quem seja o mandante, a denúncia envolvendo um menor acabou se tornando um fiasco por não ter atingido o objetivo principal, ou seja, implicar o ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional DF (OAB-DF) no crime de pedofilia.

 

Da Redação

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *